Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Poema imperfeito - PAULO AFONSO RAMOS


Num fogo rendilhado
entre as brumas e ventos
deixei perdidos os meus momentos
ficaram caídos, esquecidos nos meus dias.
Perdi-me nas aguarelas
entre pincéis e telas
dos poeirentos quadros
entre apertos e alegrias
em que me deixei seduzir
entre estéreis estrias.

Ainda assim, refeito, volto
renovado e sem amarras
para recomeçar o meu caminho.
Nem que lute sozinho com as minhas garras
sem que tu, imperfeição, que me agarras
possas travar-me, sem que o possas impedir.

Trago-vos um recado
que é este poema sem pecado, inacabado
é dentro dele que vou sempre existir.

EM - PASSOS ESPALHADOS PELO CHÃO - PAULO AFONSO RAMOS - LUA DE MARFIM

3 comentários:

  1. É lindíssimo! Mostra um quadro impressionista de grande profundidade e valiosa mestria.
    Tudo é imperfeito, e constato que o ser humano é o que está sempre a reconhecer-se como imperfeito. MAL DO QUE SE ACHA PRODUTO ACABADO!


    Solicitava que me dessem uma pausa até ao NATAL, COMO JÁ O FIZ, PARA NÃO SER INDELICADA. não consigo atender, como queria, até ao momento:::

    ResponderEliminar
  2. Sempre é hora de recomeçar, de caminhar em novos passos,de trilhar novos caminhos.
    Lindo poema! Abraços

    ResponderEliminar
  3. Não conhecia este belo poema do Paulo, gostei de ler.

    ResponderEliminar