Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Pé-de-vento - ANTÓNIO MEGA FERREIRA

De vez em quando, o vento finge
que não está; amaina, dizem
os cegos, e fica-se sem saber
o que mais dói, se a gelada
combustão dos dedos,
se os lábios despedaçados
no recorre
da manhã. O vento
retoma então o seu mistério,
as dunas engolem os presságios,
como as casas as suas sombras,
cada coisa deposita
a sua lágrima de sono
na memória cintilante da noite.
De súbito, o vento reaparece:
é como se a luz
ardesse no olhar dos cegos,
ou alguma criança
morresse
nos braços da manhã.

EM - O TEMPO QUE NOS CABE - ANTÓNIO MEGA FERREIRA - ASSÍRIO & ALVIM

Sem comentários:

Enviar um comentário