Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Lacrimatória 17 - JAIME ROCHA

O homem vê um barco aproximar-se. Um
destroço errante que navega à deriva, sem mestre,
trazendo três figuras conhecidas, aprisionadas no
convés, o cavaleiro, o homem da montanha e o
guerreiro. Um anjo negro recolhe-os, ajudado pela
figura de branco. Vêm amarrados por cabos de aço,
como destroçados, como se saíssem de um desastre.
Procuram uma última morada junto do túmulo da
mulher. O pedreiro finge que não os vê, empenhado
que está na reconstrução da ilha. Mas um corpo
vermelho surgido de uma das fendas da muralha
trá-los para o presente. Os olhos deles ficam
devorados por um turbilhão de luz como se
olhassem para uma cidade incendiada.

EM - LACRIMATÓRIA - JAIME ROCHA - RELÓGIO D'ÁGUA

Sem comentários:

Enviar um comentário