Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Calo-me - EMANUEL LOMELINO


Pela boca é que morre o peixe
E aos poucos eu vou morrendo
Pelas palavras que vou dizendo
Sem que a minha boca se feche

Sou impulsivo, tenho meus dias
Nem sempre sei ser ponderado
Nunca soube como ficar calado
Por falar assim quebro magias

Cala-te boca que és imprudente
Apenas falas para dizer asneiras
Eu sou quem mais fica a perder

Abre-te ó boca, apenas e somente
Não para dizer essas baboseiras
Mas só coisas que mereço dizer

in... Aprendiz de poeta - EMANUEL LOMELINO - Temas Originais

5 comentários:

  1. Gostei muito deste poema. Mas o livro é mesmo para descobrir, ler e reler. Eu gostei imenso, vale a pena saborear a tua poesia.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Olá Emanuel,
    E eu calo-me...para te ler!
    Gostei! Bem conseguido como sempre, e espero que o novo livro seja um sucesso.

    Bjs dos Alpes, com votos de Boas Festas!

    ResponderEliminar
  3. LEGAL TEU BLOG... TO SEGUINDO... SIGA-NOS

    LUCRE COMISSÕES E DIVULGUE GRÁTIS SEU BLOG:

    www.psdesigner.com.br/entretenimentos

    SIGA-NOS CLICANDO EM BLOG NO RODAPÉ

    OBRIGADO!
    Marcos Roberto

    ResponderEliminar
  4. Tive a sorte de conhecer o autor deste blog,online,hoje. O SEU SONETO CARACTERIZA UMA MANEIRA DE ESTAR NA VIDA, COM FRONTALIDADE. Fiquei fascinada como condensou o que marca o carácter de tanta gente, jovem e menos jovem.
    Muito sucesso na sua actividade e na sua Vida. Parabéns pelo Poema.

    ResponderEliminar
  5. Sei que lhe agradeci o envio para o meu blogg de vários poemas de que muito apreciei.Bem-haja.

    ResponderEliminar