Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Certa voz na noite, ruivamente - MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO


Esquivo sortilégioo dessa voz, opiada
Em sons cor de amaranto, às noites de incerteza.
Que eu lembro não sei de Onde - a voz duma Princesa
Bailando meia nua entre clarões de espada.

Leonina, ela arremessa a carne arroxeada;
E bêbeda de Si, arfante de Beleza.
Acera os seios nus, descobre o sexo... Reza
O espasmo que a estrebucha em Alma copulada...

Entanto nunca a vi mesmo em visão. Somente
A sua voz a fulcra ao meu lembrar-me. Assim
Não lhe desejo a carne - a carne inexistente...

É só de voz-em-cio a bailadeira astral -
E nessa voz-Estátua, ah! nessa voz-total,
É que eu sonho esvair-me em vícios de marfim...

in... Poesias - MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO - Verbo

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O outro lado do olhar - LUIS FERREIRA


As minhas palavras,
não têm porto,
Nem caminho...
São minhas... tuas no destino,
São conchas na praia deserta
Que brincam e riem
Pintando em traços e rabiscos
O olhar do poeta.
Alimentam-se da minha alma
Vagueiam em meus sonhos
E partem...
Rasgando os céus como pássaros
Nas asas que eu liberto
Partem sem rumo certo...
Para que o teu olhar as acolha.
As minhas palavras,
Transportam sorrisos e sentimentos,
São pedaços de momentos
De um tempo sem rosto
Escritas numa folha despida
Com quem fazem amor.
Sacio a minha sede,
Quando as escrevo e nelas navego
Libertando o que há em mim,
Mas esta é a minha visão,
Pois as minhas palavras afinal são...
Aquilo que os outros lerem.

in... Rosas & Espinhos - LUIS FERREIRA - Temas Originais

domingo, 28 de novembro de 2010

O horror e o mistério de haver ser* - ÁLVARO DE CAMPOS**


O horror e o mistério de haver ser,
Ser vida, ladearem-me outras vidas,
Haver casas e coisas em meu torno -
A mesa a que me encosto, a luz do sol
No livro em que não leio por alheio -
São fantasmas de haver... são ser absurdo
São o mistério inteiro cada coisa.
Haver passado, com gente nele, e outros
Presentes, e o futuro imaginado -
Tudo me pesa com o mistério dele,
E me apavora.

O que em mim vê tudo isto é o próprio isto!

in... Poesia - ÁLVARO DE CAMPOS - Assírio & Alvim

* Este poema não é titulado. Usei o 1º verso como titulo por questões logísticas.
**Álvaro de Campos é um dos heterónimos de Fernando Pessoa

sábado, 27 de novembro de 2010

Lixeiras - CARLOS TEIXEIRA LUIS


Éden das lixeiras.
Com jazz de hipermercado.
Ritos abusados. O que quer que seja.
Homens com ventres salientes.
Mulheres com muita gordura nas ancas.
Com seios desmaiados e sorrisos de mar revolto.
A praia. Suja de lixo eterno.
Praia. Lá fora.
Um país manchado pelos despejos do colectivo.
Colectivo egoísta.
Cães procuram sabe-se lá o quê.
Cheiros diversos confundidos.
Terra de sujos jardins cimentados.
Mau gosto, arte do lixo.
Quem anda a pé no jardim?
Uma favela de dez milhões.

in... Histórias do deserto - CARLOS TEIXEIRA LUIS - Temas Originais

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Paixão - LUIS MIGUEL NAVA


Ficávamos no quarto até anoitecer, ao conseguirmos
situar num mesmo poema o coração e a pele quase podíamos
erguer entre eles uma parede e abrir
depois caminho à água.

Quem pelo seu sorriso então se aventurasse achar-se-ia
de súbito em profundas minas, a memória
das suas mais longínquas galerias
extrai aquilo de que é feito o coração.

Ficávamos no quarto, onde por vezes
o mar vinha irromper. É sem dúvida em dias de maior
paixão que pelo coração se chega à pele.
Não há então entre eles nenhum desnível.

in... Poemas de amor - ANTOLOGIA - Dom Quixote

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A ave do paraíso - TIAGO PATRÍCIO


O livro das aves, dos peixes e das pedras
tem uma pena a marcar a página do infinito
que um mestre desenhou na mão sob a sombra

A chegada desta ave é o presságio
de um paraíso paraíso
e o reencontro dos rios à nascente

Pode dormeditar sobre a direcção da terra
ou reaparecer árvore e templo sem corpo
inventariar os nomes dos deuses
e antecipar o final da descendência

in... O livro das aves - TIAGO PATRÍCIO - QUASI

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Literatura - TOMAZ KIM


Lábil, embora, avulsa e adensa
O mais que pressinto:
Eis, portanto, o limiar que transpõe
A dádiva consentida
E três vezes negada (como convém)
Na ausência do canto do galo
Pela madrugada.

Vêm depois os dias:
O horário a cumprir, a torpeza, a mesura;
O pão nosso, ganhado à sorte:
Que a sorte é de quem a diz negar
E sábio a tece.

Não importa o que se esquece:
Fingida estratégia imposta
A peregrinação pelos cafés:
O sim e o não e o resto,
E tudo mais
E mais
Que a glória proclama.

in... Obra poética - TOMAZ KIM - INCM

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Um tempo - LUIS FERREIRA


Hoje...
Ninguém ouse dizer-me palavras,
Nem escrever o meu nome,
Encontro-me naquele espaço
Debruçado sobre a lua
Nos intervalos da sua face
Entre silêncios adormecidos.
Hoje...
Sonhos iludidos vestiram o meu dorso
No coalhar das cores, que velejaram comigo
Abrindo clareiras nos mares
Na sede de liberdade em traços de destino
Formas voluptuosas de um corpo de mulher
Onde recebi abraços e carinhos.
Hoje...
Estou, onde ousei estar
Suspenso nas estrelas entre afagos e caminhos
Soprando ventos nos búzios escondidos
Afirmo todas as vontades...
Nos desejos imaginados,
Na aurora de um amanhecer.

in... Rosas & Espinhos - LUIS FERREIRA - Temas Originais

COMO ADQUIRIR O LIVRO: AQUI

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Dedicatória - LILI LARANJO


Mulher...
Pequena
Franzina
Aspecto frágil de menina
Num corpo de mulher...
Mulher segura
Corajosa,
Forte,
Perseverante,
Valente...
Amiga de toda a gente...
Na boca a palavra certa...
No momento certo,
P'ro amigo carente
E doente...
Atrevida,
Irrequieta,
Criativa,
Que imagina sem fim
E a tudo diz sim...

in... O Sporting em poesia - LILI LARANJO - Fronteira do caos

domingo, 21 de novembro de 2010

Eu me confesso - LUIS FERREIRA


Coso os meus lábios,
Com fino fio de mel dos teus cabelos
Guardando assim no silêncio...
O segredo,
Do sabor dos nossos beijos.
Deixo-me levar nas pétalas da rosa,
Que deslizam na tua face
Invadindo o nosso ninho...
Onde crescem as raízes do tempo
De um amor que se sente
Forjado em alianças de ouro.
A música do teu sorriso...
É o vício, que me alimenta
Nos delírios doces que me arrepiam
Entre os suspiros da noite vivida
Acordando na alvorada do teu olhar.
Os nossos corpos ondulam...
Num pulsar escaldante,
Que acendem as estrelas do céu,
No tecto que a noite acolhe...
E me fazes acreditar
Nesse amor eterno.
Amo... grito num sopro ao vento
Os meus olhos, um brilho sereno
Da felicidade plena que há em mim,
Amo... meu amor, assim saberás
O valor deste amor que por ti é cego
Na loucura do sentimento que me invade.
Flor doce que afoga a minha sede,
Sem ti, nunca existirá NADA
Por isso CANTO, DECLAMO... GRITO ao mundo
Utilizo sem fim o verbo AMAR,
Só a ti pertenço...
Assim o digo,
Assim me confesso.

in... Rosas & espinhos - LUIS FERREIRA - Temas Originais

sábado, 20 de novembro de 2010

Fala da amada* - PAULA TAVARES


Fala da amada

Fecho agora as portas de sombra
Que me dividiram a vida
Com a ponta do fio
Dou-me à luz de coração limpo
E agora aberto
Eu te me entrego
Minha vida meu corpo
Minha fala e meu lugar.

Fala do amado

Guardião do silêncio
Guardei a pérola
Para te dizer
Noites de nardos coração mais puro
Agora e todos os dias
Do meu amor
Para receber na minha mão a tua mão

in... Como veias finas na terra - PAULA TAVARES - Caminho

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Fica comigo - LUIS FERREIRA


Quando alguém parte,
Um olhar vazio acende-se,
Uma luz apaga-se, tornando as noites vazias...
Corpos se separam...
Mãos que já não se agarram, em distâncias cruéis...
Com lágrimas que correm em rostos,
Num lento morrer todos os dias.
Chamas que viram cinzas, em fogueiras de outrora,
Acesas com labaredas vivas.
Sentimentos esquecidos, lembranças dum passado recente,
Gestos de mãos vazias, uma dor que se sente no peito...
Sorrisos fechados, perdidos... olhando para o infinito,
Chega sempre o momento em que é preciso dizer adeus...
Aquele em que o tempo chega depressa demais...
Surgem feridas que tentamos cicatrizar...
Palavras que voam ao vento... e que querem dizer apenas
Não partas, nunca mais...

in... Mar de sonhos - LUIS FERREIRA - Corpos

ATENÇÃO

O autor LUIS FERREIRA e a Temas Originais têm o prazer de o(a) convidar a estar presente na sessão de lançamento do livro "Rosas & Espinhos" a ter lugar na Biblioteca Municipal de Alcochete, sita na Rua Prof. Leite da Cunha, em Alcochete, no próximo sábado, dia 20 de Novembro, pelas 17.00.

Obra e autor serão apresentados pelo Escritor e Jornalista, Alfredo Vieira.

Apareçam, a entrada é livre.


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Árvore seca - CARLOS TEIXEIRA LUIS


Sou uma árvore seca.
Seca de poeira e sol.
Ardente de pedra.
Sou uma árvore seca
Jazendo no caminho dos
caminhantes.

Onde a minha sombra arde.
Aqueço-me
Com o respirar dos cactos
Castanhos,
Com o olho atroz
Do lagarto fugitivo.

Cobra do sonho de gelo,
Vinde à toca curvilínea
Alimentai-vos por meses.
Debaixo da árvore seca.
Seco é o sol
Dos passos de quem aqui morre.

in... Histórias do deserto - CARLOS TEIXEIRA LUIS - Atelier

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Leviana - DIOGO GODINHO


Vem,
Senta-te à minha beira,
Pactuemos por esta noite inteira
A chama ávida de nossos olhares

Fica,
Juntemos nossos corpos inocentes
Como as vimes sedas decadentes
E a lúria fresca das nossas leviandades

Parte,
No âmago desta oração
Sagrado momento de saudação
Aurora sublime dos nossos anseios

in... Opala sobre nós - DIOGO GODINHO - Temas Originais

terça-feira, 16 de novembro de 2010

desperta* - XAVIER ZARCO


desperta
o gesto

desprende
as palavras

a música
das sílabas

por onde aves
simulam

a queda
o silêncio

in... O livro do murmúrios - XAVIER ZARCO - Palimage

* Os poemas deste livro não são titulados. Usei o 1º verso como titulo por questões logísticas.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

DALI - LITA LISBOA


Amo tua pintura.
Obra feita genial,
Fruto da tua loucura.
De lírios brancos
E polémicas negras te vestias.
Egocêntrico, excêntrico
Coroado de fantasias,
Pintavas sonhos,
Em busca da "Quarta Dimensão"
Numa "Alucinação Parcial",
Que para mim era total...
Do teu Surreal, só Gala era real.
Não era disfarce, era obsessão,
Pelo "Espectro do Sex-Appeal",
Êxito dos teus delírios
De "O Cavaleiro da Morte"
Que te levou à "Galáxia das Esferas",
Onde Gala sempre te esperava
Na "Estação de Perpignan".
Só mesmo Deus na "Crucificação",
Perdoou tuas loucuras,
Porque admirou tua Arte,
E muitas outras pinturas!

in... Fragmentos de mim - LITA LISBOA - Temas Originais

domingo, 14 de novembro de 2010

Hás-de ser velho* - FRANCISCO JOSÉ VIEGAS


Hás-de ser velho e nessa altura talvez não sofras
das dores de hoje; os males de amor cura-os o tempo,
a maledicência, os passeios pelos bosques a meio
da manhã. Aprende-se devagar a dominar

a tristeza. Nem lhe dás esse nome, quando excede
os teus dias e os transforma em tempestades.
Hás-de ser velho de todas as vezes que o tempo
te arrasta às fontes onde procuras o silêncio.

A margem dos lagos, por exemplo, é outra coisa
triste, a água assemelha-se a um deserto, pequenas
ondas iludem o seu torpor. Sentas-te num muro

sobre a praia, hás-de ser velho um dia, é o que pensas.
Hás-de ter a tua idade, o teu nome e a tua casa,
hás-de esquecer esse dia, silencioso, entre os dedos.

in... O puro e o impuro - FRANCISCO JOSÉ VIEGAS - Quasi

* Este poema não é titulado. Usei parte do 1º verso como titulo por questões logísticas 

sábado, 13 de novembro de 2010

Teus olhos - FLORBELA ESPANCA


Olhos do meu Amor! Infantes loiros
Que trazem os meus presos, endoidados!
Neles deixei, um dia, os meus tesoiros:
Meus anéis, minhas rendas, meus brocados.

Neles ficaram meus palácios moiros,
Meus carros de combate, destroçados,
Os meus diamantes, todos os meus oiros
Que trouxe d'Além-Mundos ignorados!

Olhos do meu Amor! Fontes... cisternas...
Enigmáticas campas medievais...
Jardins de Espanha... catedrais eternas...

Berço vindo do Céu à minha porta...
Ó meu leito de núpcias irreais!...
Meu sumptuoso túmulo de morta!...

in... Sonetos - FLORBELA ESPANCA - Bertrand

Site da editora aqui

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Por vezes - NUNO GUIMARÃES


por vezes eu também choro
dá-me na alma a revolta
de não estar sempre a teu lado
por vezes eu também tremo
sinto frio, dor e medo
de me encontrar no abismo
e só ser este o meu fado

no auge do sofrimento
transformo isto num sonho!

viajo célere no tempo
exorcizo o teu passado
ludribrio o teu presente
com futuro antecipado...

in... Rio que corre indiferente - NUNO GUIMARÃES - Temas Originais

Site da editora aqui


AVISO

O autor, Diogo Godinho e a Temas originais têm o prazer de convidar a estar presente na sessão de apresentação do livro OPALA SOBRE NÓS a ter lugar no Auditório do Campo Grande, 56, em Lisboa, no próximo Sábado, dia 13 de Novembro, pelas 16 horas

Obra e autor serão apresentados pelo poeta Xavier Zarco

E AINDA

A autora LITA LISBOA e a Temas Originais têm o prazer de convidar a estar presente na sessão de lançamento do livro FRAGMENTOS DE MIM a ter lugar no Auditório do Campo Grande, 56, em Lisboa, no próximo Sábado, dia 13 de Novembro, pelas 17.30

Obra e autora serão apresentados por Maria João Cantinho



A entrada é livre, apareça!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Não sai de mim afinal* - PEDRO TAMEN


Não sai de mim afinal
outra coisa além do jeito
com que modelo e aceito
o que resulta do sal

com que tempero a natura
que em minha mão se aceitou.
Ela me faz o que sou
e ao fazer-me a faço impura.

Deste bico do sapato
bebo eu a vida inteira:
aqui fechado reato

caminhos de que ribeira,
montes e flores onde exacto
encontro a minha maneira.

in... O livro do sapateiro - PEDRO TAMEN - Dom Quixote

Site da editora aqui

* Os poemas deste livro não são titulados. Usei o 1º verso como titulo por questões logísticas.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Consulta - ANTERO DE QUENTAL


Chamei em volta do meu frio leito
As memórias melhores de outra idade,
Formas vagas, que às noites, com piedade,
Se inclinam, a espreitar, sobre o meu peito...

E disse-lhes: - No mundo imenso e estreito
Valia a pena, acaso, em ansiedade
Ter nascido? dizei-mo com verdade,
Pobres memórias que eu ao seio estreito...

Mas elas perturbaram-se - coitadas!
E empalideceram, contristadas
Ainda a mais feliz, a mais serena...

E cada uma delas, lentamente
Com um sorriso mórbido, pungente,
Me respondeu: - Não, não valia a pena!

in... Sonetos - ANTERO DE QUENTAL - Ulmeiro

Site da editora aqui

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Almas - INÊS LOURENÇO


Sempre admirei dos bichos
a magnífica destreza. Mesmo sem
alma, filosofia ou pátria,
defendem os limites
da pele e dos ameaçados territórios
onde se ocultam, no auge vital dos parcos anos.

Sempre admirei o desinteresse
soberano com que as fêmeas assistem
às competições masculinas e como
se mantêm independentes
e mestras na arte da caça
e sustento das crias, sem pensão
de alimentos ou outras demandas.

A sua maior tragédia
é serem tantas vezes criados
para serviço e digestão de bípedes
com alma. pátria e filosofia.

in... Coisas que nunca - INÊS LOURENÇO - &etc

Site da editora aqui

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Viver? Para quê, viver? - HENRIQUE PEDRO


Viver?
Para quê, viver?
Para descobrir o Amor
E aprender a amar

Para descobrir a Verdade
E aprender a não mentir

Viver
Para afeiçoar o espírito
À glória do Universo
Não para submeter o Cosmos
À medida do nosso corpo

Ninguém vive por viver
Ou vive para morrer

Se assim não fosse
A morte seria fútil
E a vida um sopro
Inútil

in... Angústia, Razão e Nada - HENRIQUE PEDRO - Temas Originais

Blogue do autor aqui
Site da editora aqui

domingo, 7 de novembro de 2010

Ah, como outrora...* - ÁLVARO DE CAMPOS**


Ah, como outrora era outra a que eu não tinha!
Como amei quando amei! Ah, como eu ria.
Como com olhos de quem nunca via
Tinha o trono onde ter uma rainha.

Sob os pés seus a vida me espezinha
Reclinas-te tão bem! A tarde esfria...
Ó mar sem cais nem lodo ou maresia,
Que tens comigo, cuja alma é a minha?

Sob uma umbrela de chá em baixo estamos
E é subita a lembrança opositória
Da velha quinta e do espalmar dos ramos

Sob os quais a merenda... Oh amor, oh glória!
Fechem-me os olhos para toda a história!
Como sapos saltamos e erramos...

in... Poesia - ÁLVARO DE CAMPOS - Assírio & Alvim

Site da editora aqui

* Este poema não é titulado. Usei parte do 1º verso como titulo por questões logísticas.
** Álvaro de Campos é um dos heterónimos de Fernando Pessoa

sábado, 6 de novembro de 2010

Pétalas - ONDJAKI


aprecio muito a redondez do mundo,
flores e pétalas
apontadas numa direcção amarela

verdades doces como mangas
(gosto de mangas com fio - dão sorrisos amarelos).

um dia veio o vento e as pétalas esvoaçaram.

ficou triste a flor
ficaram livres as pétalas.

in... Materiais para construção de um espanador de tristezas - ONDJAKI - Caminho

Site da editora aqui

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Porto - FERNANDO MORAIS


Aqui o silvo do comboio velho
ali o prédio acocorado à tarde

ouvem-se passos no lume do poente
é a mulher de xaile que vem de balde

ouvem-se vozes junto ao rio cinza
que o nevoeiro deixa tremeluzir a luz

mais outros passos esgueiram-se no leve
rodopiar das folhas... soma e segue...

o surdo mundo, pouco a pouco fala
nos rumores do voo de andorinhas

são as minhas mãos frias que apetece
meter nas ruas para alcançar o tempo

mas o tempo não passa como acontece ao dia
somos nós que passamos pelo tempo

e o Porto ajeita-se e estica as pernas
enquanto o sotaque, lindo, permanece.

in... Ao povo do mundo - FERNANDO MORAIS - Temas Originais

Site da editora aqui

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

As perguntas - FRANCISCO JOSÉ VIEGAS


Não tem rosto, o Deus dos perplexos. Nem voz.
Nem arrependimento. Nem a alegria dos alegres
ou o medo da escuridão. Não posso dizer-vos como
se encontram os seus caminhos, se o melro poisa

nas hortas junto do rio, ao adivinhar a tempestade.
Deus predador, o nosso, prudente, interdito,
que desagrada ao canto mais simples. As nossas
pegadas ficam no deserto, aguardam a passagem

como um fantasma que se desprende da chuva.
Esta luz é incerta, balança sobre as varandas, ameaça
os dias, converte ou desarma todas as palavras certas,

todos os olhos abertos. Não tem rosto, o Deus dos
perplexos, não caminha nos precipícios, não arde
como a urze fitando o céu, não o comove a morte.

in... O puro e o impuro - FRANCISCO JOSÉ VIEGAS - Quasi

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Queria criar uma janela* - CARLOS FERREIRA


Queria criar uma janela

Uma fresta que fosse grande o suficiente
Para deixar o vento entrar

Uma janela que nunca fechasse

Não tivesse cortinados nem persianas nem vidros

O vento entraria livre
Como uma canção de Agosto

Queria criar essa janela
E o vento partilhar.

in... Reflexos do corpo e da alma - CARLOS FERREIRA - Temas Originais

Site da editora aqui

terça-feira, 2 de novembro de 2010

O Canto do Corpo - RODRIGO CAMELO


Os meus olhos filtram a realidade
E o que de real em mim vê,
Conduz a luz do entendimento.
Aqui estamos sós de verdade,
Eu e tu - meu pensamento.

E penso nesse outro sol de um Blues
Onde arde, provavelmente meu sentimento
Em sua própria diversidade...
Antigos ou novos. Destila uma canção emocionada
Ou vejo isto, ou reina ingenuidade!

O mundo não te completa
Mas também não concluo o mundo
Nem sou acaso de complemento.
Mais que a dor, vejo a alegria selecta;
Que destrói o arco de onde brota o sofrimento.

Quero embriagar-me em London,
Preservar-me em Whitman,
Dentro da alma de um canto de mim
O mesmo que vive no corpo que sobra
E sóbrio no ventre que mira o fim.

in... Máquinas sem rosto - RODRIGO CAMELO - DG Edições

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

PALHAÇO - MARIA ANTONIETA OLIVEIRA


Eu sou aquele
Que brinca, canta e toca...
Que dá e leva estalada,
P'ra fazer rir a pequenada...
Eu sou aquele
Que faz de pobre e de rico...
Que pula, ri e salta,
Para animar toda a malta...
Eu sou aquele
Que se preciso for,
Não só dá cambalhota,
Como até anda de mota...
Eu sou aquele
Que faz todo o mundo feliz,
Que faz rir a criançada,
Com a sua palhaçada...

Eu sou o tal fugaço...
O brincalhão palhaço!...

in... Trago-te um sonho nas mãos - ANTOLOGIA - Temas Originais

Blogue da autora aqui
Site da editora aqui