Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

A felicidade - JOÃO CARLOS FERREIRA


Prometo que te serei fiel
Não queiras saber o á-bê-cê
E se chorares dou-te um lenço de papel.

Não queiras saber o final
O suspense é o que faz alimentar a ilusão,
Prometo ser imparcial,
Mas sou adepto da abstracção.

Não me perguntes se sou feliz,
A felicidade é um conceito muito abrangente,
Sou eterno aprendiz,
A felicidade é imortal e omnipotente.

Não me perguntes como estou,
Às vezes a raiva flui como fel,
Outras vezes sou tempestade que amainou
E às vezes sou como folha branca de papel.

EM - REFÚGIO - JOÃO CARLOS FERREIRA - PAPIRO

1 comentário:

  1. Foi parar ao meu blog este poema cujo título é frequentemente questionado. Não me cabe tecer considerações; sei que um simples toque ao preocupar-se perante o estado de outrem é sinal de atenção e consideração; pelos pequenos nadas se preenche a vida .

    ResponderEliminar