Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Templo extremo - CLÁUDIO CORDEIRO


A hora é um templo extremo.
A água impõe um nome
a cada dia importado pelo vento.

Não me revolto com a luz.
É preciso coragem para suportar
as lágrimas do coveiro.

O tempo perdido é um punhado
de terra salgada...
... por palavras que secaram
a luz do dia.

EM - UM TUDO NADA ÁGUA - CLÁUDIO CORDEIRO - LUA DE MARFIM

1 comentário:

  1. Realço o valor emocional condensado em cada estrofe deste poema; gosto de o ter no meu blog. Cada estrofe é uma fonte de inspiração, contudo está no seu todo carregado de uma profunda tristeza. Faz-me aliar nele dois poetas que tanto admiro: Eugénio de Andrade e João Roque. Parabéns!

    ResponderEliminar