Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

As aves de Afrânio - MIA COUTO


Em lugar de livros,
Afrânio levava pássaros para casa.

Corredor adentro,
escapando dos olhares da esposa,
na concha das mãos,
o derradeiro tesouro.

Dona Magriça sossegava os filhos:
vosso pai anda muito aluacinado.

Os meninos se encantavam:
a palavra, aluacinado,
era mais alada que as avezinhas
que o pai contrabandeava.

No final, o pai desvalorizava:
«Triste
é só aqui dentro
haver quentura para ninho»

EM - IDADES CIDADES DIVINDADES - MIA COUTO - CAMINHO

1 comentário:

  1. Mais um conto interessante de Mia Couto, de entre tantos. As suas "brincriações"são a sua marca "genética".
    Aqui faz-me lembrar a frase dita,noutro conto: " A paixão é o mundo a dividir por zero", logo a compensação... que Afrânio encontrou.

    ResponderEliminar