Este blogue pretende ser uma montra de poemas e poetas de língua portuguesa.
NESTE MOMENTO O TOCA A ESCREVER É PATROCINADO POR ALGUMAS EDITORAS E AUTORES QUE OFERECEM LIVROS DE POESIA.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

43 - JAIME ROCHA

Quase no fim, numa pequena nuvem de água,
os corvos dançam e vomitam um besouro
gigante. Todos os homens se ajoelham numa
longa noite. Todos se defrontam com um
último olhar do pássaro. E depois existe
um poço com uma tampa ondeada que ferve
ao sol e envia uma luz cinzenta para o céu.
Dessa água nasce um novo ser que se dispersa
pelos terrenos escolhidos para o centeio.

EM - DO EXTERMÍNIO - JAIME ROCHA - RELÓGIO D'ÁGUA

Sem comentários:

Enviar um comentário